30
Abr 11

*

 

Lá me mandaram isto, com a nota de «parabéns (atrasados) ao blogue»...

  

Obrigado!

publicado por flordocardo às 17:39
tags:

publicado por flordocardo às 01:40
tags:

29
Abr 11

 

*   *

 

Poema (quase) na hora

 

Por entre escadas e elevadores

análises raios xis e papéis

deu para ver que a noiva estava linda

que o vestido dela lindo era

que estava tudo muito limpo e arrumado…

 

Mas nada comparável nada

ao aprumado e viril garbo dos cavalos!

 

(Lisboa, 29-04-2011)

 Casamento Real de William e Kate (REUTERS)

Foto REUTERS

publicado por flordocardo às 17:29

28
Abr 11

 

* *

 

Eucaliptal

 

Quem regressa a Portugal regressa ao medo
de falar sem alçapões de protecção
conventual, ao respeitinho pelos títulos
de borra, à timidez de protestar nas oficinas,
nos empregos, nos polés, nos hospitais.

Volta ao gozo bichaneiro da franqueza
pelas costas, ao bitate regougado
pela incúria, ao leve gás do palavrão
desopilante, pusilânime, vendado,
ao complacente desamor da liberdade.

Regressar a Portugal é regressar
ao desapego por direitos e deveres,
à indiferença pela história colectiva,
pelo que quer que sobrepuje o cá-se-vai
dum comodismo sem coragem nem prazer.

É regressar a horizontes de betão
e eucalipto, a frustrados atoleiros
de automóveis à deriva, ao fanico
de salários sobrevivos, mordaçantes,
ao cajado da lisonja e da preguiça.

Quem regressa a Portugal, regressa ao tempo,
sobretudo, da infância, que o lugar
já foi levado (não me canso de o dizer,
nem me conformo) pelo tufão da mais-valia
predial. Mas se o tempo da infância

cabe inteiro na memória, quem regressa
a Portugal, regressa a quê e para quê?

                                                    José Miguel Silva
(do livro «Erros Individuais» - Relógio d’Água, 2010)

publicado por flordocardo às 19:28
tags:

publicado por flordocardo às 00:09
tags:

27
Abr 11

 

*  *

 

Estamos mais pobres. Faleceu ontem à noite o Professor Vitorino Magalhães Godinho (nasceu em Lisboa, em 9 de Junho de 1918), figura de referência da historigrafia portuguesa e pioneiro das Ciências Sociais no nosso país. Possui uma obra fundamental sobre a história dos descobrimentos portugueses e há pouco tempo atrás publicou um notável ensaio sobre a Europa.

Sempre o tive em conta na qualidade de um democrata e patriota consequente. Penso que nunca vendeu as suas convicções por um prato de lentilhas.

Urge (re)lê-lo. 

 Algumas obras:

 

- “A Economia dos Descobrimentos Henriquinos” (1962) e “Os Descobrimentos e a Economia Mundial” (editado em dois volumes, em 1963 e 1970);

- “A Estrutura da Antiga Sociedade Portuguesa” (1971);

- “Mito e Mercadoria, Utopia e Prática de Navegar, Séculos XIII-XVIII” (1990);

- “Portugal: a emergência de uma Nação” (2004).

 

publicado por flordocardo às 18:14

 

*   *

 

Foi boa a viagem até Constância, na passada segunda-feira!

 

Mas há por ali algo que já tem a ver com a crise actual. Eu depois explico melhor.

 

publicado por flordocardo às 01:08
tags: ,

publicado por flordocardo às 01:08
tags:

26
Abr 11

 

 

*

 

(No «Público» de hoje, com a devida vénia)

 

BARTOON

publicado por flordocardo às 18:06
tags: ,

 

*  *

 

«Uma geração que consente deixar-se representar por um Dantas é uma geração que nunca o foi.

É um coio de indigentes, d’indignos e de cegos! É uma resma de charlatães e de vendidos, e só pode parir abaixo de zero!»

 

Assim falava Almada Negreiros, em 1915, no seu Manifesto Anti-Dantas e por extenso e tudo!

 

Ora isto faz-me lembrar, não sei..., os discursos ontem pronunciados no Palácio de Belém.

publicado por flordocardo às 12:49

Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9





subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO