31
Mar 12

publicado por flordocardo às 00:57
tags:

 

 

*   *   *

 

«Só me conhece quem me sentiu as mãos.»
 

 
João Pedro Grabato Dias
publicado por flordocardo às 00:56
tags:

30
Mar 12
publicado por flordocardo às 18:01
tags:

 

*   *

 

A «Lusoponte» vai devolver o dinheiro das portagens cobradas em Agosto ao Estado.
A revisão do acordo foi assinada ontem. Passos Coelho garantiu já que não há nesse acordo compensação à «Lusoponte» pelo imposto adicional pago em 2011.

Pois... Mas há uma coisa que sempre me incomodou nesta história das parcerias público-privadas: os contratos celebrados, com todos os seus "cinzentos" anexos e apêndices, não são tornados públicos. Porquê?!...

Bem, os encargos para o Estado com as PPPs, até 2021, são de aproximadamente mil milhões de euros (a grande fatia destas parcerias diz respeito às rodovias, ferrovias e águas); as margens de lucro, saídas dos nossos bolsos para a iniciativa privada, variam entre os 12 e os 16 por cento...

As PPPs, recorde-se aqui, começaram em 1992, com Cavaco Silva. Daí para cá tem sido um fartote!


publicado por flordocardo às 17:21

 

*    *

 

Hoje as alterações às leis laborais vão a votos no Parlamento. Como é evidente, tais alterações visam prosseguir a via capitalista de continuar a fazer com que os trabalhadores paguem a crise - uma crise que não é deles e que eles não provocaram.

As posições dos partidos parlamentares estão já definidas para esta votação na generalidade. Mas atenhamo-nos, por agora, à posição do PS. A decisão "socialista" sobre tão sinistras medidas é a da abstenção, anunciando para mais tarde propostas de alteração na discussão na especialidade. A coisa, como se sabe, não está a ser pacífica...

Mas seria de esperar outra atitude por parte de Seguro? Não seria.

Seguro é mais um daqueles personagens caricatos que sempre procuram, de forma desesperada, sentar o traseiro em duas cadeiras ao mesmo tempo; e os quais, por vezes, tentam mesmo saltar por cima das suas próprias cabeças. Os resultados desta atitude estão à vista: o PS está cada vez mais isolado junto dos trabalhadores (ainda bem!) e já nem consegue pôr ordem na sua própria casa, pois nessa cada um puxa para seu lado (ainda bem também!).

Conclusão: o oportunismo não compensa!

Quanto ao mais, se pensam que o Código de Trabalho em preparação vai ser bem digerido pelos trabalhadores, pois... tirem o cavalinho da chuva!

Podem vir o Passos, o Portas, o Gaspar, o Relvas, o Álvaro, o Seguro e o inefável Proença, da UGT; podem vir a troika e a polícia; podem..., pois podem. Mas nós diremos basta! Não, não pagamos!

 

 

publicado por flordocardo às 02:35

 

*   *

 

(Busque Amor novas artes, novo engenho)

 

Busque Amor novas artes, novo engenho
Para matar-me, e novas esquivanças;
Que não pode tirar-me as esperanças,
... Que mal me tirará o que eu não tenho.

Olhai de que esperanças me mantenho!
Vede que perigosas seguranças!
Pois não temo contrastes nem mudanças,
Andando em bravo mar, perdido o lenho.

Mas conquanto não pode haver desgosto
Onde esperança falta, lá me esconde
Amor um mal, que mata e não se vê.

Que dias há que na alma me tem posto
Um não sei quê, que nasce não sei onde;
Vem não sei como; e dói não sei porquê.

                                                     Luís de Camões

 

 

publicado por flordocardo às 00:07
tags:

28
Mar 12

 

 

*   *   *

 

«Apenas a violência pode servir onde reina a violência, e apenas os homens podem servir onde existem homens.»

 

Bertold Brecht

publicado por flordocardo às 13:40
tags:

publicado por flordocardo às 00:05
tags:

27
Mar 12

 

*   *

 

Fechou hoje a Poesia Incompleta, a única livraria de Lisboa que só vendia livros de poesia. Estava aberta ao público desde Novembro de 2008. Consta que encerra sem dívidas.

Irá reabrir a livraria que eu não me importaria de ter?

 

 

publicado por flordocardo às 19:12
tags: ,

 

  *   *

 

SAI DE CASA

 

Rasga este poema depois de o leres.

E depois espalha os bocados

Pelo vasto mundo

Ou então na tua rua, vai à aldeia, à praia,

Atira-o ao mar, deita-o ao lixo,

Para que venha o vento, o sol, a chuva, os homens do lixo,

Acabar com ele de vez.

Passado um dia,

Sai de casa e procura

Encontrá-lo de novo.

 

                                              Manuel Resende (n. 1948)

 

(do livro «O mundo clamoroso» - Angelus Novus Editora/2004)

 

publicado por flordocardo às 00:36
tags:

Março 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9



29


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO