27
Fev 14

 

*   *

 

UM POEMA TRANQULO

 

um pássaro qualquer insistente volteia por aqui

toma altura e mergulha depois tranquilo

por entre o betão destes prédios altos

da avenida de berna e da cinco de outubro

 

queria escrever um poema assim tranquilo

 

mas não é fácil sabem

entre canos

soros tubos sangues fístulas

tecer um poema tranquilo

é fodido

 

(provavelmente sempre o foi

e o pássaro saberá mais disso do que eu)

 

 

(Lisboa, 26-27.02.2014)

 

publicado por flordocardo às 15:34

E atão?... Força nisso! Abraço!
ramsés a 28 de Fevereiro de 2014 às 21:49

Fevereiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
14
15

16
17
19
20
21

23
24
26
28


mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO