10
Ago 09

 

Este post devia ser de ontem, ou mesmo de anteontem. Ou podia e devia ser de há muito tempo antes, ou ainda mesmo assim tão intemporal que nunca devia ter existido, ou sequer  devia ter sido pensado.

 

Este post não tem nome, não tem título.

 

Este post é um beijo - ou a memória clandestina, intensa, visceral de um beijo antigo, e tão presente que ofusca tudo em seu redor.

 

Este é o post de quem não tem palavras suficientemente exactas e luminosas, por entre a bebedeira da luz, da sombra e do ar presentes. É o post  daquele que procura o poema capaz e tudo demora e desespera nessa procura; e quase cega.

 

Este post é o esboço, excessivo, de um poema futuro e, como o vento, sem data marcada; poema que busca incessantemente a sua própria, irrepetível e perfumada forma.

 

 

publicado por flordocardo às 10:57

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21

23
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO