15
Jun 10

 

 

 

*  *  * 

canções para voz e lâmina,

ou Diálogos com Sophia I

- - - - - - - - - - - - -

O  CANTO QUE CORTA A GARGANTA

Musa ensina-me o canto

que corta a garganta

 

 

I

 

Ensina-me a revirar a língua.
Mas não tão subitamente.

Preciso destas poeiras e ventos
(e não só para que me arranhem)

 

Ensina-me o vagar da língua
que não estranha as estranhas ranhuras
da saliva ou o assobiar do respirar
nos contornos murmurados
do cinzento, a inclemência
dos objectos lisos nas escuras câmaras
da minha lucidez. Sôfregas,
mundanas.
O incalculável, sobretudo.
A ressaca de estar tão rente
ao presente, de ter as têmporas tão
enroscadas em mim.

 

Ou lá o que é isto.

 

Ensina-me o canto que verga
incomodamente a excitação da língua.
O que é certamente uma maneira
de apressar a reticência do futuro.

 

Ensina-me esse mastigar
só com a sua ondulação de músculo
e porventura a refinar
o cuspo azedo que fabrico.

São ensaios.
Para ir treinando a urgência.

Guardarei os dentes para outras tarefas,
outros verbos, sentidos menos restritos.

Ensina-me uma língua
que arranhe.
É só isso.

 

Como cambalhotas no asfalto:
felizes, ainda que necessárias.

 

Mais: que arranhe o próprio arranhar.
Uma língua
como a falam os homens
mesmo que nem sempre o saibam
(que eu o saiba e o não saiba
ao mesmo tempo)

 

Como a cospem
os que vezes sem conta cuspiram
o belo, porque era levemente implacável.
Como aqueles a quem foi ensinado
que as horas que assim
suaves batem as certezas
nos agarram a este solo
e que essa é a única canção.
Todos eles têm outro obscuro
canto a assobiar entredentes.

 

A voz em esforço
pois passa esfolada e indecisa
um pouco pelas frinchas do necessário
– a ele voltamos sempre
ao espreitar pelas nesgas da raiva.

 

Dizem-me que a língua
pertence ao obscuro e húmido.
Ou vice-versa.
Que os poetas portanto a têm
particularmente retorcida
e golpejada pelas sombras.
Mas não é isso:
que se foda a língua dos poetas.
As suas pregas dão-se mal com o meio-dia.
Eu dou-me mal com estes dias
mas insisto em lhes lamber o pó.

 

Ensina-me a lamber o pó
de outra maneira.

 

Quero a língua de todos
os aflitos, as espirais toscas
da lâmina desvairada que é o mundo.

 

Areja-a ao sol,
contorce-a sob a luz
desatina-a para que encontre
a fala desencontrada.
O torcer esforçado
que se esgueira pelos lugares
que nos deu este tempo.

 

Ensina-me a dobrar a dor
a estirar o corpo e o embaraço
dos gestos quase possíveis
Nesta língua, neste prenúncio
zumbido de quase futuros.

 

Ensina-me, musa, a música impraticável

 

(do livro «Que se Diga que Vi como a Faca Corta» - Mariposa Azual, 2010, ontem lançado em Lisboa)

  

publicado por flordocardo às 15:31
tags:

Isto tem força, muita força. Quem é este fulano?

ramsés a 16 de Junho de 2010 às 14:51

Estranho mas original; e tem de facto força.
Abraço e mais músicas como as que tem aparecido aqui. *
Anónima a 16 de Junho de 2010 às 16:37

Fantástico...nada mais tenho a dizer.
Quem é Mariposa Azul??
Abraço
ónix a 16 de Junho de 2010 às 23:39

O que eu queria perguntar era "quem é Miguel Cardoso"? é do cansaço. Dahhh
Bjinhos
ónix a 16 de Junho de 2010 às 23:41

Ramsés e ónix: este é o primeiro livro do autor. Estou a lê-lo. Por enquanto não vos posso dar mais elementos. Um dia deste, está bem? Mas creio que temos poeta.
Abraços e bjões!!!

Ramsés e ónix:
Acabado de ler o livro, nada mais sei excepto o que nele consta sobre o autor; que nasceu em 1976, passou uns anos em Londres e vive em Lisboa. A sua poesia é estranha, exigindo revisitação e digestão prolongadas. Mas gosto bastante deste poema, pois caso contrário não o teria aqui colocado.
Abraços para vocês!
flordocardo a 23 de Junho de 2010 às 23:11

Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO