16
Jun 10

 

 

*   *   * 

 

O ÚLTIMO POEMA

 

 

Assim eu quereria o meu último poema

Que fosse terno dizendo as coisas mais simples e menos intencionais
Que fosse ardente como um soluço sem lágrimas
Que tivesse a beleza das flores quase sem perfume
A pureza da chama em que se consomem os diamantes mais límpidos
A paixão dos suicidas que se matam sem explicação.

                                                             Manuel Bandeira (Brasil, 1886-1968)

(de «Estrela da Vida Inteira - Poesias Reunidas» - José Olympio Editora, Rio de Janeiro, 1978)

 

publicado por flordocardo às 13:03
tags:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO