10
Nov 09

 

Um poema de Luís Manuel Gaspar - retirado da revista «Telhados de Vidro», nº. 5 (Novembro de 2005) -, eis o que por agora vos deixo aqui.

 
*  *
 
Hei-de saber onde ficou guardado o fogo
que nos queimava o ar que havia entre os dedos
e a praia rasa afundada pela sombra
dos longos passos que deitámos para o mar
 
Hei-de juntar as duas partes deste enredo,
a língua ática dos ramos cor de sangue,
a rede a rojo trespassando a pele de areia,
o remo irado que rompera o dia a meio
 
Hei-de seguir a estrela húmida da fronte
mas noutra vida, noutro anel de claridade,
que as rosas rendem-se ao relâmpago do sono
ou ficam cegas no vermelho do seu laço
 
Velam as barcas sob os arcos. Já não vejo
a minha mão colada a ti na outra margem
publicado por flordocardo às 17:38
tags:

Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
12
13
14

15
16
17
19
21

23
26



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO