22
Mai 13

 

*   *

 

Não deixa de ser interessante que no dia da reunião do Conselho de Estado, na passada segunda-feira, tenha vindo a público uma sondagem encomendada pela Faculdade de Direito de Lisboa à Eurosondagem, avaliação cujos dados deixam em maus lençóis o acordo assinado com a troika.

Eu não costumo acreditar grande coisa em sondagens assentes em menos de 3333 entrevistas válidas (a presente alicerçou-se em somente 1025)… Porém, mesmo assim…

A sondagem em questão assinalou que 82,5 por cento dos portugueses “querem renegociar ou denunciar o acordo com a troika”. Não consigo perceber bem como é que a “renegociação” aparece misturada com a “denúncia”; nem se os inquiridos entendem o que seja uma e outra coisa - já que, aliás, uma coisa é antagónica da outra…
Seja como for, tais resultados deixam a nu algo que seria talvez impensável há um ano ou dois atrás (tal como a discussão presente, cada vez mais constante e pertinente, sobre a permanência, ou não, de Portugal no euro e até na própria UE). O que antes era(m) uma(s) "heresia(s)" tornou-se agora   algo de comum discussão.

Bem podem, portanto, gritar e uivar os membros do governo e seus apoiantes, bem como muitos “opositores” civilizados instalados na pseudo-esquerda que temos. É que as coisas seguem inexoravelmente o seu impetuoso e justo rumo: a dívida não é nossa; a dívida é impagável; a dívida deve ser repudiada; é justíssima a palavra de ordem de “não pagamos!”; devemos sair da moeda única; e sair da moeda única significa sair da UE, pois no quadro do destrutivo colete de forças que a mesma tem imposto a Portugal não existe qualquer futuro para o nosso país.

Mas para tudo isto precisamos de derrubar o actual governo, substituindo-o por um governo democrático patriótico!


publicado por flordocardo às 19:31

 

*  *  *

 

DIZERES…

 

O que o pai do Passos disse a alguém sobre o filho:

«A gente vai fazer uma festa cá na família quando nos virmos livres disto.»

 

O que eu disse há instantes à minha mãe:

«A gente vai fazer uma festa cá na família quando nos virmos livres do Passos e companhia.»

 

O que Schauble disse a Merkel depois da reunião com Gaspar, em Berlim:

«A gente vai fazer uma festa cá no governo quando nos virmos livres do Coelho e do Gaspar. É que estes tipos são tão nossos amigos que, mesmo sem quererem, ainda vão causar dissabores ao nosso projecto imperial.»


publicado por flordocardo às 18:47

 

 

*     *

 

«O mais corrupto dos Estados tem o maior número de leis.»


Tácito (Roma Antiga)

publicado por flordocardo às 03:29
tags:

Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9


19

26
28


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO