09
Out 10

 

*   * 

 

O QUE APRENDI

 

Podemos ser pisados

Podemos cuspir sangue

É possível que sejamos forçados a lavar com mijo

as feridas abertas nas mãos

Podem mesmo encostar-nos à parede

fuzilar-nos

queimar depois os ossos para adubo

 

Pode acontecer-nos tudo.

 

Nunca calaremos

Nunca vergaremos

Nunca desistiremos

E teremos sempre

apesar de tudo sempre mãos

ou um simples olhar entre os nossos

entre nós

para o afago oportuno da ternura

Para os erguer do chão

Para hastear a dignidade bem acima da morte

 

Posso morrer de muita coisa

mas não disto que me ensinaram

 

(Cruz Quebrada, 20.09-06.10.2010)

 

 

   

(PS - Era mais ou menos um compromisso assumido voltar a falar-vos dos 40 anos do MRPP. Difícil. Não consegui. Mas espero que este poema que aqui deixo

releve essa minha falta.)

 

publicado por flordocardo às 00:12

Ribeiro Santos e Alexandrino de Sousa estão entre esses que deram a vida, mas nunca se calaram e vergaram.

Belo poema.

http://lutapopularonline.blogspot.com/2010/10/honra-alexandrino-de-sousa.html
Porto Santo a 9 de Outubro de 2010 às 16:47

Tens razão. E ainda bem que gostaste do poema.
Força!

flordocardo a 9 de Outubro de 2010 às 17:42

Viver sempre com dignidade... e nunca vergar.
Intenso. Adorei.
Bjinhos
ónix a 9 de Outubro de 2010 às 22:57

Deixa-me dizer-te que te ensinaram e aprendeste "coisas" de muito valor. Gostei muito do poema. ;)

bjs***
Só Avulso a 9 de Outubro de 2010 às 23:56

Fico contente por isso.
Bjitos! * * *
flordocardo a 10 de Outubro de 2010 às 00:37

Forte!!!
ramsés a 10 de Outubro de 2010 às 00:41

Gosto e pronto!
Melt a 11 de Outubro de 2010 às 12:52

Obrigado por este poema e já agora parabéns, ainda que atrasados!
M. Silvino a 11 de Outubro de 2010 às 21:14

Quem agradece sou eu. Continue a passar por aqui!
flordocardo a 12 de Outubro de 2010 às 03:00

Outubro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO