08
Dez 10

 

*  *

 

 

(Trago os instrumentos do fogo)

 

Trago os instrumentos do fogo

Ponho-os na boca

Ponho-os no coração

 

Trago os instrumentos da respiração

- Uma montanha, uma árvore que lhe dá abrigo -

E suspendo-os nos ramos como pinhas que dão sombra

Um lugar fresco para os deportados de Sião nas margens

 

Trouxe também os instrumentos dos mineiros

Uma luz na cabeça voltada para o pensamento

Um olhar profundo

O modo prisioneiro de virem livremente para fora

 

E trago todos os instrumentos na circulação do sangue e na ocupação permanente

Das mãos

Para o instrumento difícil

Do silêncio

 

                                          Daniel Faria (1971-1999)

 

(do livro «Homens que são como lugares mal situados» - Fundação Manuel Leão, Porto/1998)

 

 

publicado por flordocardo às 10:28
tags:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Dezembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO