30
Dez 10

 

*   *

 

Em vez de se discutir como pode o país voltar a crescer - e com mais igualdade -, discute-se o que fará fulano de tal ou fulano de tal, a respeito disto ou daquilo (sempre questões laterais e secundárias, note-se) se for eleito para a Presidência da República; e discute-se ainda aquilo que o outro fez e não devia ter feito...

 

Ter indústria, ter agricultura, ter serviços, ter pescas, ter uma melhor Saúde e um melhor sistema de Educação, isso não se discute - apesar disto ser precisamente aquilo que importa discutir. Tanto mais que começa a ser consensual que este regime e modelo económico já deram o que tinham a dar...

 

Foi isto que verifiquei nos debates televisivos.  E agora está decidido de vez: nenhum dos actuais candidatos vai ter o meu voto no dia 23 de Janeiro.

 

 

Contudo há um aspecto no debate de ontem que não posso deixar em claro: aquela história do «não dizer mal dos credores»…

 

Cavaco Silva voltou à carga sobre este assunto, sem ter tido uma resposta firme e peremptória de Manuel Alegre.

 

O que Cavaco defende, no fundo, é a velha máxima do tempo da outra senhora de que «manda quem pode, obedece quem deve». A actual “sensatez” de Cavaco não me espanta. Não foi dele que veio a história do «bom aluno» - da qual estão à vista os “bons resultados”?...

 

A teoria de Cavaco é tão simples e rasteira quanto isto: sejamos servis, pois quem nos empresta dinheiro a juros usurários só quer o nosso bem…

 

Mas eu acho que nem Salazar nem Caetano teriam ousado ir tão longe quanto Cavaco nesta matéria. Eis o que Alegre lhe devia ter dito, caso tivesse no sítio os ditos cujos…

 

 

 

publicado por flordocardo às 15:56

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Dezembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO