14
Jan 11

 

Um amigo fez-me chegar o texto de opinião que se segue, tendo o seu autor apelado a quem dele tomasse conhecimento e com o seu teor concordasse que do mesmo fizesse o uso que entendesse.

É nestes termos que aqui vos dou a conhecer tal texto - bem pertinente, em meu entender.

 

Um ano e meio agitado na Linha do Tua

Foto: MCLT

 

*  *

 

«A Insustentável Ligeireza da Consciência

 

Cavaco Silva, o candidato, deslocou-se a Mirandela às 17 horas do dia 12 de Janeiro do corrente ano. Na agenda, uma visita a três fábricas da zona industrial, área que confina com o traçado da Linha do Tua no percurso entre Mirandela e Carvalhais, onde antigamente existia um ramal de mercadorias. De seguida, a agenda marcava uma visita a Macedo de Cavaleiros e jantar/comício em Bragança.

15 de Dezembro de 1991: o troço Mirandela – Macedo de Cavaleiros é encerrado por questões de segurança. Dois dias depois, graças a um descarrilamento, o troço Macedo de Cavaleiros – Bragança, que havia ficado isolado do resto da Linha do Tua, é também encerrado. A 14 de Outubro de 1992, praticamente 10 meses depois, a CP, num acto de pirataria, levava em camiões o material circulante resguardado na estação de Bragança, defendidos por um forte dispositivo policial, e por um inexplicável corte de comunicações telefónicas na cidade. Era Primeiro-Ministro Cavaco Silva, e esta Noite do Roubo marcou o fim do genocídio ferroviário do professor e economista perpetrado entre 1987 e 1992, alcançando a soma de 860Km de caminhos-de-ferro encerrados. Destes, 185Km (21,5%) pertenciam ao distrito de Bragança.

Levei uma faixa à zona industrial de Mirandela, para receber o candidato e ex-Primeiro-Ministro. Nela apus uma pergunta de retórica: “Senhor Presidente, veio de comboio?”. À chegada, o candidato, ex Primeiro-Ministro e actual Presidente da República, dirigindo-se à faixa e a mim dizia com ar de júbilo “Eu gosto muito de andar de comboio”. Confrontado ainda com um DVD do recente filme “Pare, Escute, Olhe”, totalmente devoto à História recente da Linha do Tua, e com um dossiê com todos os comunicados do Movimento Cívico pela Linha do Tua, Cavaco, o candidato, ex- Primeiro-Ministro, Presidente da República, professor e economista, titubeou, e tentou contornar o incómodo falando de uma linha que afinal não é a Linha do Tua, mas sim a do Douro, e de uma barragem, sobre a qual diz não se poder pronunciar.

Para fechar com chave de ouro, em resposta a um jornalista que lhe lembrava que enquanto Primeiro-Ministro tinha sido responsável pelo encerramento de 860Km de caminhos-de-ferro em Portugal – ao que eu acrescento a consequente responsabilidade pela asfixia económico-social que daí adveio, sobretudo em Trás-os-Montes e Alto Douro e no Alentejo – Cavaco, o homem, respondeu que tem “um grande orgulho” no que fez enquanto Primeiro-Ministro, e que o país deveria partilhar desse orgulho.

Como devem dormir bem os homens sem consciência nem moral, que nunca se enganam, raramente têm dúvidas, avisam atempadamente tudo e todos sobre o futuro, e que contam com o voto do embrutecido e amnésico povo…

 

Daniel Conde

Mirandela, 13 de Janeiro de 2011.»

 

 

publicado por flordocardo às 17:40

Não acho que o povo seja amnésico, mas é sempre bom lembrar a verdade dos factos!
ramsés a 14 de Janeiro de 2011 às 19:17

Excelente!
anónimo a 15 de Janeiro de 2011 às 01:23

Bem escrito e sobretudo muito oportuno.
Bjitos!
Melt a 15 de Janeiro de 2011 às 13:13

A memória curta dos possidónios ...
Porto Santo a 15 de Janeiro de 2011 às 17:56

Possidónios!!! :)
Abraço!
flordocardo a 16 de Janeiro de 2011 às 00:36

Uma desfaçatez sem limites, aqui muito bem denunciada.
Abraço e melhoras! *
Luísa a 16 de Janeiro de 2011 às 23:55

Janeiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO