19
Jan 11

 

*    *

 

(Serenamente sem tocar nos ecos)

 

Serenamente sem tocar nos ecos

Ergue a tua voz

E conduz cada palavra

Pelo estreito caminho.

 

Vive com a memória exacta

De todos os desastres

Aos deuses não perdoes os naufrágios

Nem a divisão cruel dos teus membros.

 

No dia puro procura um rosto puro

Um rosto voluntário que apesar

Do tempo dos suplícios e dos nojos

Enfrente a imagem límpida do mar.

 

                                        Sophia de Mello Breyner Andresen (1919-2004)

 

(do livro «No Tempo Dividido» - 4ª. edição, revista - Editorial Caminho/2005)



 

 

publicado por flordocardo às 00:50
tags:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Janeiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO