15
Dez 09

 

 

Folheando um livro antes da deita, nesta noite fria, descubro dois poemas de Eugénio de Andrade que, não sei já por qual razão, passei ao computador e imprimi.

 

Resolvo deixar-vos um deles (pois ainda não é desta que vos falar dos tais anglicismos).

 

*  *

Devias estar aqui rente aos meus lábios

 

Devias estar aqui rente aos meus lábios
para dividir contigo esta amargura
dos meus dias partidos um a um

- Eu vi a terra limpa no teu rosto,
Só no teu rosto e nunca em mais nenhum  

 

publicado por flordocardo às 00:47
tags:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Dezembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO