09
Dez 11

 

*   *   *

 

(OS POEMAS QUE ESCREVAS)

Os poemas que escrevas,
ainda que muitos, são
um só, inacabável,
interceptado um dia:

sufocante abertura
por onde irás descendo
a um poço, uma vertigem,
com uma única saída

que, enfim, vislumbrarás
quando já não tiveres olhos.

                                                José Bento (n. 1932)

publicado por flordocardo às 02:59
tags:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Dezembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9


21



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO