15
Set 12

 

 

*   *   *

 

AS AMORAS

O meu país sabe as amoras bravas
no verão.     
Ninguém ignora que não é grande,
nem inteligente, nem elegante o meu país,
mas tem esta voz doce
de quem acorda cedo para cantar nas silvas.
Raramente falei do meu país, talvez
nem goste dele, mas quando um amigo
me traz amoras bravas
os seus muros parecem-me brancos,
reparo que também no meu país o céu é azul.
    


                          Eugénio de Andrade (1923-2005)

 

(do livro «O Outro Nome da Terra» - 1988)

 

publicado por flordocardo às 01:50
tags:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Setembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14

19
20

24
29



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO