14
Mai 09

 

 

Prometi e aqui estou. A falar-vos do debate sobre as eleições europeias emitido no dia 11 pela RTP 1.
 
Não vi (por provável lapso meu) referências a este debate na imprensa. E desconheço que audiência teve. Comento-o, portanto, livre desse quadro de referências.
 
OBS. 1 - A iniciativa começou já depois das 22 horas e 40 minutos, terminando cerca da 1 hora e 20 minutos da manhã. O canal público, assim, achou por bem não prescindir do concurso que se segue ao (excelente) programa «Cuidado Com a Língua» e, deste modo, considerou igualmente por bem fazer muitos telespectadores (pelo menos os que no dia seguinte têm trabalho a cumprir) desligarem o seu televisor lá pela meia-noite e pouco. São critérios que dispensam mais comentários...
 
OBS. 2 - O debate iniciou-se com a preocupação das coisas e das propostas concretas. Considerando que o tempo era diminuto e elevado o número de intervenientes, havia que «aviar» o programa... Sendo tratada desta forma a coisa pública que a política é, foi por isso importante que uma ou duas vozes se tenham levantado contra tal e, assim, de alguma forma, conseguido dar a volta à orientação traçada pela moderadora do debate. É claro que essa contra-corrente partiu das forças políticas que não tem representação parlamentar - nem na AR, nem no PE. Deste modo, foi possível - ainda que de forma insuficiente - falar de que União Europeia temos e da nossa relação com ela, do que ela trouxe e tirou a Portugal.
 
OBS. 3 - O debate tornou evidente que os mais importantes partidos portugueses, em particular o PS e o PSD, se escusaram, através de um «silêncio ensurdecedor», a prestar contas dos fundos comunitários até hoje desembarcados no país; para que serviram e para que bolsos foram. E eu posso adiantar algo que será perceptível para muitos portugueses, em especial os que trabalham por conta de outrém, e que ficou por afirmar claramente: no essencial, tais fundos foram parar aos bolsos dos detentores do capital e dos seus quadros mais próximos. É a minha opinião e convicção.
 
OBS. 4 - Eventualmente mais comprometedor para o PS e o PSD do que o silêncio que atrás referi, foi o atabalhoamento total demonstrado pelo senhor Rangel, quer pelo senhor Moreira, quanto ao referendo que ficou na gaveta sobre o designado «Tratado de Lisboa». Nem podia ser de outra maneira, já que foram precisamente os respectivos partidos daqueles senhores que colocaram o referendo na gaveta (com o incentivo e o aplauso do actual Presidente da República). A este propósito, ficou pateticamente patente o conceito de “democracia” dos ditos...
 
OBS. 5 - Considero ainda que ninguém entendeu o que fizeram ou fazem ainda no PE os deputados europeus Ilda Figueiredo e Miguel Portas. E, ainda menos, o que irão fazer caso sejam reeleitos... Pareceu-me que se propõem lutar por «justiça na economia» (como chegou a referir Portas), sem explicarem que raio de economia sui generis será essa... É que se for para trazer «justiça» à economia capitalista que temos, francamente!...
 
OBS. 6 - As novas forças concorrentes às eleições europeias, MMS e MEP, não acrescentaram visivelmente nada de novo ao debate…
 
OBS. 7 - Por fim, suspeito que esta abertura da RTP para, neste período de pré-campanha, permitir o confronto político entre todas as candidaturas, se vai saldar em plena campanha eleitoral pelo silenciamento praticamente total de 8 candidaturas em favor das restantes 5. Espero estar enganado, caros amigos.
 
E fico por aqui, pois o tempo continua curto, curto... ...
publicado por flordocardo às 12:59

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Maio 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
16

18
20
21
22
23

24
26
27
28
29
30

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO