30
Mai 13

 

 

*   *   *

 

(um dia destes tenho o dia inteiro para morrer)

 

um dia destes tenho o dia inteiro para morrer,

espero que não me doa,

um dia destes em todas as partes do corpo,

onde por enquanto ninguém sabe de que maneira,

um dia inteiro para morrer completamente,

quando a fruta com seus muitos vagares amadura,

o dom – que é um toque fundo na ferida da inteligência:

oh será que um poema entre todos pode ser absoluto?

:escrevê-lo, e ele ser a nossa morte na perfeição de poucas linhas

 

 

                                                            Herberto Hélder (n. 1923)

 

(do livro «Servidões» - Assírio & Alvim, Maio/2013)

 

publicado por flordocardo às 01:12
tags:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9


19

26
28


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO