02
Jul 13

 

 

*    *

 (retirado de http://www.lutapopularonline.org)

 

*

UMA MOEDA DE TROCA CHAMADA GASPAR

A divulgação pública da demissão de Vítor Gaspar vem confirmar a tendência que afirmámos no artigo ontem publicado - “As 10 propostas de Seguro”, de que uma intensa luta se está a travar no seio da burguesia, opondo os sectores mais enfeudados à tróica germano-imperialista e aos grandes grupos financeiros e bancários aos sectores da burguesia nacional, mais ligados à produção industrial e à agricultura, e a uma vasta camada da pequena burguesia que está a pôr-se em bicos dos pés para abocanhar os restos do banquete orçamental.

Luta que, no entanto, não obscurece a contradição principal e antagónica que é a que opõe os referidos sectores da burguesia à classe operária, aos trabalhadores e ao povo português em geral. É que de um lado da barricada, com contradições, é certo, mas no plano formal (meramente quanto ao tamanho da fatia do bolo orçamental que caberá a cada um deles), estão os vários sectores da burguesia, unidos em torno de um programa e um memorando que acorrenta o povo português a uma dívida que não contraiu, e o país à condição de protectorado ou sub-colónia, sobretudo do imperialismo germânico.

A saída de Gaspar só pode ser entendida como parte do acordo que os diferentes sectores da burguesia estão a negociar entre si para fazerem frente – uma vez mais com base na política de bloco central – ao crescendo da mobilização, do empenho e energia para a luta pelo derrube deste governo de traição nacional protagonizada pela classe operária e pelo povo, cujos episódios mais recentes foram a Greve dos Professores e a Greve Geral do passado dia 27 de Junho, na qual estiveram empenhadas as duas Centrais Sindicais – CGTP e UGT – e vários sindicatos independentes. Uma luta que todos eles temem porque resultará na constituição de um governo democrático patriótico que, para além de suspender de imediato o pagamento da dívida, preparará o país para a saída do euro e da União Europeia.

Agora podemos perceber melhor os rasgados elogios que PSD e CDS fizeram às 10 propostas de Seguro. Em política não existem coincidências. Algumas propostas de Seguro foram toleradas pela coligação que sustenta o governo de traição nacional, mostrando assim a esta oposição que, se for bem comportada e colaborante com a questão essencial do pagamento da dívida e a inevitável política de austeridade, não há qualquer problema. Até pelo contrário - deste modo, o PS deixa de ter fundamento para pedir a demissão do governo e pode ser que a fatia do bolo que lhe couber leve um reforço de dose.

Nos bastidores os diferentes sectores da burguesia contam armas, exibem forças ou fraquezas, mas estão todas de acordo quanto a um objectivo – a presa a despojar, esventrar e exaurir é comum a todos estes exploradores, o povo e quem trabalha! Desiludam-se! Não é pelo facto de apostarem numa ministra refundada do arsenal gasparista – Maria Luís Albuquerque - , não será por terem uma 5ª coluna ao seu serviço – o PS – que a burguesia e os seus representantes contarão com o abrandamento da imparável luta pelo derrube deste governo que os trabalhadores e o povo português há muito encetaram.

_______________


SUBSCREVO!


publicado por flordocardo às 15:57

Agora foi o Portas, fechemos então a porta a este governo de traidores.
porto santo a 2 de Julho de 2013 às 19:23

Também subscrevo!!!
Abraço!
ramsés a 2 de Julho de 2013 às 21:19

Julho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
12

14
19
20

22
25
26

28
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO