21
Fev 10

 

 

 

 

A Alemanha de Hitler promoveu, em 1933, a queima pública de livros considerados "não alemães" e de "intelectuais judaicos". Aqueles livros seriam “subversivos” e mesmo “perversos”. Tratava-se, portanto, de “limpar” a cultura alemã…
Foram assim parar ao fogo obras de Thomas Mann, Walter Benjamin, Brecht, Heine, Freud, Einstein...
 
Hoje, pelos vistos - e em Portugal -, usam-se guilhotinas para destruir livros. Foi o que fez há dias o Grupo Leya, capitaneado por um tal Miguel Pais do Amaral. A guilhotina cumpriu as ordens, destroçando livros de Fernão Lopes, Goethe, Eduardo Lourenço, Eugénio de Andrade, Jorge de Sena, António Ramos Rosa… Estavam a mais e ocupavam demasiado espaço… Colocar os livros em saldo ou oferecê-los? Não. Guilhotiná-los!
 
Como se pode ver, existem nazis para todos os gostos. Os de cá têm provavelmente a especial particularidade de destruir livros em nome da mais pura, singela e cavernosa ganância.
 
Quanto ao papel cultural da Leya cá no burgo estamos, portanto, conversados!

 

publicado por flordocardo às 01:45

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO