26
Fev 10

 

 

 

(VRAERDNTMD)

 
Volto à casa que para mim já foi tanto. Regresso a lugar nenhum. Aqui ninguém me chama, ninguém me escuta, ninguém me tem, ninguém me morde. E fora daqui tenho o dia repleto de horas; e só aqui, ao dormir, elas me faltam.
Regresso, sento-me aqui e é como se esperasse pelo regresso das aves. Desde que o tempo levante, quem será que pode voltar com o regresso delas? Neste lugar nenhum, ninguém sabe a resposta; nem mesmo a bela música que agora escuto.
Talvez seja por isso que, ansioso, olho o relógio de novo. Meia-noite e trinta e sete minutos. Descubro neste instante que as casas (como a minha) são magnólias ou cardos por abrir só com um pouco de sangue e de ternura.

 

publicado por flordocardo às 00:37

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO